terça-feira, 1 de março de 2016

Chuva

Chuva de molhar quintal
Chuva de ler romance
Chuva de comer bolinho
Chuva de embaixo da coberta
Chuva de filminho bobo
Chuva de ficar em casa
Chuva de talvez de tempo
Chuva de talvez não “deu”
Chuva de molhar a rua
Chuva de lavar a alma
Chuva de dançar insanamente
Mesmo que apenas mentalmente
Chuva de beijar a mocinha
Ou o mocinho, sem preconceitos
Chuva de sorrir sozinha
Chuva de amar sozinho
Chuva de esconder o choro
Chuva...
Chuva de não ha mais nada
chuva de não há ninguém
chuva de se estar sozinho
e de ser duro se estar tão só
Chuva de cumprir promessas
Chuva de pagar por erros
Chuva de lembrar quem falta
Chuva de lembrar
chuva de chover em meus olhos
mais que a garoa fria la de fora
uma tempestade quente em meu rosto
Enquanto imagino dançar
contigo na chuva, mesmo sem musica
chuva de ouvir acústico
chuva de ficar quietinho
Chuva...
(Miesterludi - o ultimo)

Nenhum comentário: