quinta-feira, 26 de maio de 2016

sete meses

Uma das vantagens de não se abrir mão de nada
é numa tarde qualquer, reler um blog antigo
e reviver toda uma vida
é reorganizar as antigas cartas, e perceber
que houve muito, muito amor numa vida só
reler poesias, rever desenhos, reencontrar pessoas
eu sempre quis uma maquina do tempo
talvez por isso formar se em historia
talvez por isso guardar ao menos uma coisinha de cada momento
talvez por isso construir histórias intensas
talvez por isso acabar sozinho
em meio aos devaneios
cartas
desenhos
poemas
as vezes o presente até dá um presente ou outro
e eu guardo
escrevo tantas cartas
nunca as entrego
sinto pena do eu que vai se lembrar um dia de hoje
de tantos fins e nenhum começo
de tantos vazios, tantas faltas
talvez sozinho, talvez não
talvez desista de viajar no tempo
talvez desista de viajar
e do tempo
tempo frio me acalma
tempo cinza me entristece
mas já ha tanto pra entristecer
deixa o tempo pra depois
agora, sozinho, cartas, desenhos, poemas, lagrimas, musicas, eu.

2 comentários: